João Martins admite Palmeiras abaixo, diz o que faltou ao time, mas afirma: “Nada está perdido”

João Martins em jogo do Palmeiras contra o SPFC, durante primeira partida válida pelas oitavas de final da Copa do Brasil 2022, no Morumbi.
Cesar Greco

Novamente substituindo Abel Ferreira à beira do gramado, João Martins reclamou também da arbitragem de Raphael Claus

Substituto de Abel Ferreira à beira do gramado pelo segundo jogo consecutivo, João Martins admitiu, em entrevista coletiva após o revés por 1 a 0 para o SPFC nas oitavas-de-final da Copa do Brasil, que o Palmeiras não conseguiu repetir o desempenho de jogos anteriores.

O auxiliar citou, principalmente, a falta de agressividade da equipe e a dificuldade na criação de jogadas – o Verdão finalizou apenas seis vezes, sendo que nenhum chute foi em direção ao gol de Jandrei.

“Hoje estivemos um pouco abaixo. Na primeira parte, recuperávamos a bola em zonas baixas, tentávamos sair curto e o adversário pressionava bem. Não conseguimos recuperar a bola na zona de criação, isso nos criou dificuldades e também faltou um pouco nós igualarmos a agressividade sem a bola. No segundo tempo melhoramos, mas não foi o suficiente. O desgaste físico também interferiu, é normal, houve lances de precipitação e muitos passes falhados, o que nos obrigou a gastar mais energia”, explicou.

“Cada jogo tem sua história. Sabíamos que hoje seria diferente de segunda-feira. O SPFC foi mais competente que nós, mais agressivo nos duelos, fez muitas faltas e nos pressionou perto de nossa baliza. Tivemos problemas no jogo curto e também nas individualidades. Tínhamos que ter um pouco mais de calma, paciência, ganhar bola na segunda fase do campo. No final, eles mereceram ganhar porque fizeram um gol e nós não”, acrescentou Martins, que também falou sobre o duelo da volta.

“Nada está perdido, queríamos um desempenho e um resultado diferente, porém não fomos capazes. São dois grandes clubes e é normal ter confrontos equilibrados. Às vezes ganhamos, outras não, mas vamos trabalhar para que no jogo em casa a gente dê a volta por cima. Será outra história. A eliminatória está completamente aberta, irá ganhar o melhor e esperamos que sejamos nós. O confronto é de 180 minutos e ainda está no ‘intervalo’”, completou.

O Palmeiras precisa vencer o SPFC por dois gols de diferença no confronto do Allianz Parque para avançar às quartas-de-final no tempo normal. Caso vença por pelo menos um gol, o duelo será decidido nos pênaltis.

João Martins reclama de Raphael Claus

Apesar de admitir um Palmeiras abaixo da média, João Martins não deixou de reclamar da arbitragem de Raphael Claus. Para o assistente, o juiz foi permissivo com a agressividade do adversário e também não deu falta de Reinaldo em Dudu na origem do gol do rival.

João Martins em jogo do Palmeiras contra o SPFC, durante primeira partida válida pelas oitavas de final da Copa do Brasil 2022, no Morumbi.
Cesar Greco

“Não vamos dar essa desculpa [de falta de energia do time]. O adversário foi mais forte, essa é a realidade. Mas vale ressaltar que tivemos um momento de descontração no gol porque foi falta no Dudu e o árbitro não deu. É incompreensível. Nossos jogadores acabaram por ir reclamar e eles marcaram o gol”, protestou.

“Foi um jogo agressivo, muito por conta do último jogo, e faltou o árbitro estar preparado para isso. Só faltou o Reinaldo pisar no Dudu, porque de resto ele fez tudo”, finalizou Martins.