João Martins destaca a força mental do Palmeiras após virada no Morumbi

João Martins em jogo do Palmeiras contro SPFC, durante partida válida pela décima terceira rodada do Brasileirão 2022, no Morumbi.
Cesar Greco

Invicto no comando do Verdão, João Martins afirmou também que não pretende ser técnico principal

Os zagueiros decidiram e o Palmeiras virou sobre o SPFC no Morumbi para manter a distância de três pontos para o segundo colocado no Campeonato Brasileiro. O triunfo por 2 a 1, com gols de Gustavo Gómez e Murilo, aos 44’ e 50’ do segundo tempo, respectivamente, fez o Verdão chegar aos 28 pontos.

Para o auxiliar técnico João Martins, que substituiu Abel Ferreira à beira do gramado nesta segunda-feira, os principais fatores que fizeram o Palmeiras ganhar do rival foram a agressividade no segundo tempo e o equilíbrio mental.

“O primeiro tempo foi equilibrado, eles tiveram a sorte de sair na frente, mas isso faz parte do futebol. Tivemos nossas oportunidades claras, mas não conseguimos fazer. Na segunda parte nós arriscamos, viemos aqui para ganhar. Bloqueamos bem as saídas do SPFC, aumentamos a nossa pressão na frente, obrigamos eles a errar e ganhamos mais a segunda bola. Demos tudo que tínhamos na parte mental. Felizmente conseguimos virar, parabéns a todos os jogadores. Jogar aqui não é fácil, apenas uma equipe ganhou deles aqui e fomos nós”, disse.

“A capacidade mental deles, de saberem o que fazer independentemente se estamos a ganhar ou perder, treinamos todos os dias. Hoje isso nos foi colocado à prova. A gente sabe da dificuldade que é começar um jogo perdendo, não queremos isso, mas o futebol é assim e temos que saber lidar”, acrescentou o auxiliar, que também explicou a opção por mais uma vez iniciar a partida com Gustavo Gómez como lateral-direito.

“Foi a quarta vez que jogamos contra eles no ano e sabemos que são fortes na profundidade e são agressivos na frente. Foi uma opção técnica, assim como no último jogo. O nosso plano B, para arriscar, deveria começar por uma mudança ali. O Mayke, claro, ataca melhor que o Gómez e tínhamos que arriscar. A saída do Luan é estratégica, ele ficou muito tempo parado, fez uma sequência forte de jogos de três em três dias. Por isso ele saiu”, explicou Martins.

João Martins segue invicto

João Martins em jogo do Palmeiras contro SPFC, durante partida válida pela décima terceira rodada do Brasileirão 2022, no Morumbi.
Cesar Greco

O ‘braço-direito’ de Abel Ferreira já comandou o Palmeiras 15 vezes e ainda não sabe o que é perder: são 10 vitórias e cinco empates. Apesar dos ótimos números, Martins divide o sucesso com os jogadores e não pensa em ser técnico principal.

“Não vejo [o que os torcedores dizem sobre seu trabalho], não há tempo. Mas se eles estão brincando, é sinal que coisas positivas estão acontecendo. É impossível substituir o Abel. Trabalhamos muito, mas sabemos que quando ele não está em campo temos que ser mais responsáveis e cada um dar um pouco mais”, declarou.

“Esses números são muito bons porque os jogadores estão dando um pouco mais nestes tipos de jogos [sem o Abel]. O professor sempre diz que nessas situações eles têm que colocar em campo um pouco do treinador que há neles. Vejo as coisas assim, sinto isso. Claro que fico contente, mas não tenho a pretensão de ser técnico principal, gosto do que faço, um trabalho mais braçal do que cabeça, estou muito satisfeito”, finalizou.

Podendo ter Abel Ferreira de volta à beira do gramado, o Palmeiras enfrenta novamente o SPFC na próxima quinta-feira; desta vez no jogo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil.