Em seu 1º ano completo como profissional, Renan se firma e consolida bons números

Renan nas comemorações do Palmeiras pela conquista da Copa Libertadores 2021.
Cesar Greco

Com apenas 19 anos, Renan foi um dos líderes da equipe em desarmes e passes certos

Em 14 de outubro do ano passado, o zagueiro Renan realizava seu primeiro jogo no time principal do Palmeiras. No clube desde 2015 e multicampeão nas categorias de base, o defensor canhoto foi lançado por Vanderlei Luxemburgo no mesmo dia em que o treinador foi despedido do cargo, após derrota frente ao Coritiba, no Allianz Parque.

Alternando entre a equipe principal e a Sub-20, Renan precisou ser aproveitado por Abel Ferreira logo no mês seguinte à sua estreia por conta dos diversos desfalques no setor. Em novembro de 2020, engatou uma sequência de cinco partidas, entre Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores, que o fez ser efetivado no elenco profissional.

Entretanto, apesar das boas primeiras impressões, o jogador foi utilizado esporadicamente por Abel Ferreira e sua comissão técnica na temporada passada, mas teve seu momento de confirmação no período atual.

Renan no jogo do  do Palmeiras contra o Cuiabá, durante partida válida pela trigésima sexta rodada do Brasileirão 2021, na Arena Pantanal.
Cesar Greco

Depois da conquista da Copa do Brasil sobre o Grêmio, a diretoria palmeirense decidiu por escalonar as férias dos principais jogadores para não comprometer o início do Campeonato Paulista, já que não houve uma pausa estabelecida pelas federações e a CBF. Apenas as Crias da Academia não tiveram um tempo de recesso e, por conta disso, Renan ganhou oportunidades na equipe titular.

Das 16 partidas que o Verdão fez no estadual, o camisa 3 esteve presente em 10 oportunidades e foi líder do time em desarmes, com 24. A solidez defensiva confirmou a expectativa gerada em cima dele e o fez ser peça importante de Abel Ferreira.

Canhoto, de boa estatura e com boa velocidade, Renan tomou conta da posição de “zagueiro pela esquerda” no esquema de três defensores utilizadas por diversas vezes por Abel Ferreira e que deu muito certo no início no Brasileirão, principalmente após a saída de Viña quando o Palmeiras ainda não tinha as reposições de Piquerez e Jorge à disposição.

Entre o final de junho até a metade de agosto (segundo confronto contra o SPFC pelas quartas-de-final da Libertadores), o camisa 3 esteve em campo em 10 jogos (atuando nesta função) e o Verdão venceu sete partidas, empatou duas vezes e sofreu um revés.

Depois das contratações dos dois laterais-esquerdo (Jorge e Piquerez), Renan começou a ser utilizado com menos frequência, mas, ainda assim, manteve-se como uma das primeiras opções de reposição e chegou a ser titular no jogo decisivo diante do Atlético-MG, pela semifinal da Libertadores, no Mineirão.

Na temporada, em números gerais, o zagueiro obteve 71 desarmes certos, fez 15 interceptações, acertou 51 lançamentos e deu 1.599 passes corretos (terceira maior marca do time, atrás apenas de Luan e Gómez).

Confira outros números de Renan na temporada:

  • Jogos: 41;
  • Gols: 1;
  • Assistências: 1;
  • Dribles: 11;
  • Cruzamentos certos: 2;
  • Finalizações certas: 9;
  • Faltas sofridas: 37;
  • 2ª Cria da Academia com mais minutos em campo pelo clube em 2021: 3.902, atrás apenas de Danilo, com 3.942;
  • 3º palmeirense mais jovem a fazer gol na história da Libertadores: contra o Universitario, pela fase de grupos da Libertadores de 2021 (primeiro como profissional), aos 18 anos, 11 meses e 2 dias – recorde pertence a Gabriel Veron (18 anos, um mês e 19 dias);
  • 3º colocado em desarmes na temporada: 71;

No total, Renan, que tem contrato com o clube até o final de 2025, contabiliza 52 partidas pelo Palmeiras e três títulos conquistados: Copa Libertadores (2020 e 2021) e Copa do Brasil (2020).