Abel elogia dupla de zaga e vê empate como resultado justo

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR, durante primeira partida válida pelas finais da Recopa Sul-Americana, na Arena da Baixada.
Cesar Greco

Após empate em 2 a 2 contra o Athletico-PR, Abel concedeu entrevista coletiva e também explicou alteração no segundo tempo

O jogo de ida entre Palmeiras e Athletico-PR, pela Recopa Sul-Americana, terminou empatado em 2 a 2. O Verdão chegou a ficar duas vezes atrás do placar, mas Jailson, aos 27’ do primeiro tempo, e Raphael Veiga, aos 52’ do segundo, foram às redes.

Ao final do jogo, o técnico Abel Ferreira enalteceu o “espírito de luta” da equipe e viu o empate como um resultado justo.

“Todos perceberam que esta equipe tem uma alma e um espírito que luta até o fim pelo melhor resultado. Foi isso que procuramos fazer aqui. Não há jogos fáceis. Foi uma partida aberta, na qual criamos oportunidades e nosso adversário também. Honestamente, o resultado foi justo. A equipe acreditou até o fim, foi buscar o resultado”, disse o treinador em entrevista coletiva.

“Criamos mais e seria injusto sair daqui com um resultado desfavorável. Tivemos uma chance com o Veron e com o Wesley antes do empate, no primeiro tempo também criamos. Precisamos de um pouco mais de tranquilidade dentro da área, para fazer gols. Foi um jogo muito bem disputado”, complementou.

Para o confronto contra o Furacão, o Palmeiras não teve os titulares Luan, machucado, e Gustavo Gómez, positivado para Covid-19. Com isso, a comissão técnica levou a campo os defensores reservas, Kuscevic e Murilo, que foram elogiados por Abel.

“A nossa filosofia é ‘Todos Somos Um’. Eles [Murilo e Kuscevic] são tão importantes quanto o Gómez e o Luan. Temos 27 jogadores e esse elenco foi escolhido por todos nós. O clube tem uma visão muito clara para aquilo que quer para o futuro. Infelizmente por uma lesão e por circunstância do Covid ficamos sem os dois titulares. Mas todos têm que estar preparados para ajudar a equipe e gostei do nosso desempenho. Seja individualmente os dois [Murilo e Kuscevic], seja coletivamente, a equipe esteve competitiva. Satisfeito com o rendimento dos dois jogadores [Murilo e Kuscevic] e eu confio neles”, afirmou o treinador.

Abel explica alteração no 2º tempo e fala sobre duelo da volta

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR, durante primeira partida válida pelas finais da Recopa Sul-Americana, na Arena da Baixada.
Cesar Greco

Apesar da mudança na zaga, o estilo inicial de jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR foi o mesmo do duelo anterior, diante do Santo André; Jailson e Atuesta começaram entre os onze e fizeram os movimentos de ocupar a área adversária. Logo no início do segundo tempo, contudo, o comandante trocou o colombiano por Wesley e alterou o estilo da equipe.

Sobre a mudança, explicou: “Estávamos com uma certa dificuldade para bloquear a primeira fase de construção deles. Então optamos por colocar o Rony de centroavante, trazer o Veiga para a ‘10’ e dar o apoio com Danilo e Jailson. Tivemos que sacrificar o Atuesta para que com bola ou sem ela, sermos agressivos nos dois momentos, com o trio de ataque na frente: Wesley, Dudu e Rony. Gosto de variar as formações porque às vezes as coisas podem não sair bem”.

Por fim, o treinador falou sobre o duelo da volta e cutucou a escolha da CBF em colocar a Supercopa do Brasil deste ano antes da Recopa, já que ano passado, quando o Palmeiras estava presente nas duas decisões, a final entre brasileiros ocorreu no meio da competição de caráter continental.

“Vamos analisar o jogo e traçar o melhor plano para o jogo seguinte. Vamos ver como recuperamos a equipe. Temos alguns jogadores lesionados. Ano passado, jogamos a Supercopa entre os dois jogos da Recopa e esse ano foi diferente. Com o Palmeiras, a partida foi no meio. Enfim, espero que lá [no Allianz Parque] nossa torcida faça o mesmo ambiente que teve aqui com os torcedores adversários”, concluiu.

Para conquistar o título inédito, o Palmeiras precisará vencer o Athletico-PR por qualquer resultado no duelo da volta, que acontecerá na quarta-feira que vem no Allianz Parque; em caso de outro empate, a decisão será disputada nos pênaltis – não há critério do gol qualificado.

Antes desse confronto, contudo, o Palmeiras terá um compromisso pelo Campeonato Paulista. No domingo, a equipe vai até o interior de São Paulo para enfrentar a Inter de Limeira, às 16h.