A batalha dos treinos abertos: o Derby começou muito mais cedo

Maurício GaliotteO Derby decisivo do Paulistão, marcado para domingo, começou na segunda-feira, quando Palmeiras e SCCP divulgaram que fariam treinos abertos para seus torcedores em seus respectivos estádios no sábado pela manhã.

A PM logo se manifestou de forma contrária, informando não ter efetivo suficiente para garantir a ordem em dois eventos ao mesmo tempo com tamanho potencial destrutivo. Com base nesse parecer, o Ministério Público, através do procurador Paulo Castilho, “proibiu” os treinos abertos.

Os clubes deram de ombros. Cientes de que o MP não tem poder para proibir um evento dentro de propriedade particular, bateram o pé e confirmaram os treinos. Começou então uma verdadeira batalha nos bastidores: os dois clubes, cheios de vontade de promover eventos de aproximação com suas torcidas na véspera de uma data tão importante, e o MP, preocupado com os prováveis efeitos devastadores da realização simultânea dos dois treinos – e entendam “devastadores” como quiserem: tanto para a população em si, como para as pretensões políticas dos responsáveis pela segurança pública.

O Palmeiras jogou de forma magistral: usou o SCCP como aliado para confirmarem os treinos e assim colocar o MP nas cordas; não sem ter a certeza de ter protocolado o pedido nos órgãos competentes antes do rival. O MP foi obrigado a aceitar a realização dos treinos e a negociar com os clubes para desmembrar os horários – algo que tem como único critério objetivo para decisão a antiguidade do protocolo. Como o do Palmeiras é mais antigo, sobrou para o SCCP, que não tinha como bater o pé sem se responsabilizar por eventuais incidentes.

Assim, a estratégia do Palmeiras foi perfeita e funcionou apenas por um motivo: conhecia e fez valer seus direitos, seguindo a regra com rapidez, mostrando organização e agilidade. O MP perdeu porque tentou usar um poder que não tinha; Castilho não conseguiu intimidar Mauricio Galiotte e Andrés Sanchez. E o SCCP perdeu porque possivelmente confiou na condição de ser, sempre, o preferido. O Palmeiras, ao sacar o protocolo do bolso e usar a imprensa para tornar pública essa condição, ganhou o jogo.

Primeiro round

Essa batalha, claro, foi apenas o primeiro round do Derby – mas foi vencida pelo Palmeiras com requintes de crueldade. Nossa diretoria manipulou os bastidores com maestria, usando apenas a lei, a estratégia e a organização.

Mas de que valeu essa batalha, afinal?

Para a diretoria do Palmeiras, bastante. Mauricio Galiotte vinha de uma série de episódios em que havia deixado a impressão de fraqueza absoluta nos bastidores, fazendo com que a confiança da torcida, e talvez até de seus comandados, não fosse a ideal. Ao sair como vencedor na questão dos treinos abertos, obrigando o MP e o SCCP a cederem, mostrou uma face diferente que, caso tenha continuidade nos próximos episódios, pode lhe render muitos dividendos políticos, além do mais importante: garantir o respeito ao Palmeiras.

Fazer o treino aberto terá um efeito moral sensacional em nossos jogadores. Uma festa desse quilate no campo onde será realizada a final, na véspera, vindo de dois resultados excepcionais, é tudo o que o time precisa para afirmar a confiança.

Andrés SanchezO mesmo não se pode dizer do efeito que o treino aberto terá no rival, nas circunstâncias que vai acontecer: transparecendo fragilidade por ter sido forçado a alterar o horário, a dois dias de distância da partida, para “apoiar” um time que vem de uma derrota incontestável em casa e precisa do resultado. Tudo isso pode fazer com que o evento seja um tiro no pé, e em vez de dar embalo ao time, acabe criando mais pressão e deflagrando medo nos jogadores.

É claro que o placar de 1 a 0 não garante nada, muito menos essas conjecturas a respeito dos treinos abertos. O Palmeiras precisa entrar em campo no domingo e garantir lá dentro o título paulista. Mas que saímos mais fortalecidos ainda do episódio, não há dúvidas. VAMOS PALMEIRAS!

Duas frentes de trabalho para acabar com a maldita sensação de déjà vu

Derby
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

O Palmeiras perdeu mais um Derby em Itaquera, no final-de-semana. Esta derrota perfez uma rara sequência de quatro seguidas no clássico – a última vez que eles nos impuseram isso na História foi entre 1983 e 1985. Assim, o placar de sequências de quatro ou mais vitórias foi igualado, com quatro para cada lado. A diferença é que o Palmeiras ostenta uma sequência de cinco e outra de seis triunfos.

A partida do último sábado traz uma desagradável sensação de déjà vu, já que guarda semelhanças com dois Derbies disputados no ano passado.

De certa forma, lembra o clássico disputado em 22 de fevereiro, pelo Paulistão, quando o Palmeiras, apesar do período de desenvolvimento do time em virtude de ter um treinador contratado na virada do ano, fazia melhor campanha no campeonato, enquanto o rival parecia bem mais longe, vindo de resultados ruins e ainda buscando encontrar um time titular confiável. Com um gol de Jô, no final do jogo, o Palmeiras foi derrotado pela contagem mínima.

Por outro lado, a partida do último sábado remete ao Derby de 5 de novembro, que terminou com o placar de 3 a 2 e que teve larga influência da arbitragem. Nos dois jogos, apesar da interferência dos homens do apito, o Palmeiras também mostrou falhas dentro de campo que precisam ser ajustadas.

Fomos roubados, mas claro que poderíamos ter jogado melhor

Instagram
Reprodução Instagram

A primeira reação do torcedor contra o próprio time é aquela que infelizmente já virou rotina de alguns anos para cá: achar que “faltou raça”. Daí a chamar este ou aquele jogador de vagabundo e pipoqueiro é um pulo. Daí para pior. Houve alguns episódios tétricos: torcedores procuraram o Instagram da esposa do Dudu e o xingaram – não pouparam nem uma foto em que aparece apenas um dos Duduzinhos. É caso de sociopatia gravíssimo.

Mesmo sem chegar a esses extremos, boa parte da nossa torcida canaliza a frustração da derrota contra nossos jogadores de forma exagerada. A necessidade de se achar culpados e de vociferar pelo teclado é um fenômeno alarmante. E não é justo.

Faltou atitude? Talvez, mas será que foi por falta de “tesão”? Será que foi por desinteresse? É bem pouco provável.

Nossos atletas no primeiro tempo, mesmo jogando ligeiramente melhor que o adversário, não conseguiram abrir o placar. A intensidade de jogo poderia ter sido maior, o time poderia ter atacado de forma mais compacta. Erros dos jogadores, talvez do técnico – jamais saberemos se o posicionamento equivocado dos nossos jogadores foi orientação do Roger ou se eles não executaram o que o treinador pediu. No final, mesmo com nossa defesa postada, um buraco na marcação e muita felicidade de Rodriguinho determinaram a abertura do placar.

Raphael Claus
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

No segundo tempo houve jogo por dez minutos, um massacre do Palmeiras, com muita atitude – tanto que Cássio aproveitou um choque com Borja para paralisar o jogo por três minutos para esfriar nosso time, sentindo o perigo. Assim que a partida recomeçou, uma bola vadia caiu no pé de Renê Júnior e o resto é o que já sabemos.

A partir desta sequência, o Palmeiras de fato morreu em campo e é impossível não relacionar este comportamento com as decisões da arbitragem. Nosso time se sentiu muito prejudicado e perdeu o foco, compreensivelmente – ao menos para quem tem a referência da prática de esportes de forma competitiva na vida. Quem não tem, fala que é vagabundagem.

Faltou aproximação entre os atletas com a posse de bola. Tchê Tchê estava fora de sintonia e não deu apoio a Felipe Melo, perdemos a disputa pelo meio de campo. Nosso time podia ter mais vibração no primeiro tempo – algo que 10% do estádio a nosso favor poderia providenciar, mas que o time deles, que da mesma forma não teve o apoio dos seus quando veio ao Allianz Parque em 2017, não se ressentiu – muito, mas muito provavelmente porque já estava se sentindo bem naquele jogo, coisa que nosso time não conseguiu.

Tudo isso ainda parece ter origem no atual estágio de desenvolvimento do time. Contra times fracos, os resultados vieram. Num ambiente extremamente hostil, contra um time mais ajeitado, e com a decisiva ajuda da arbitragem, o resultado não veio. Pensando friamente, não foi nenhuma zebra e já dizíamos antes do jogo, por todos esses motivos, que os favoritos eram eles.

Poderíamos ter jogado melhor, mas claro que fomos roubados

Roger Machado
Fabio Menotti/Ag.Palmeiras

Roger Machado ainda deve fazer ajustes no time titular. Nosso elenco é muito rico e ele tende a conseguir, com o tempo, achar a melhor combinação de jogadores e encontrar a melhor dinâmica de jogo para eles. Keno, Guerra e Gustavo Scarpa estão a postos para novas experiências. Diogo Barbosa é uma peça importante que ainda não estreou. Moisés é um craque cuja condição física ainda é uma incógnita. Roger ainda tem muito para evoluir com o time.

Isto dito, não podemos jamais deixar de lado a influência que a arbitragem sofre para apitar jogos do SCCP. Em seu site, a RGT soltou uma matéria quase criminosa no sábado tamanha a intimidação que causou na arbitragem. Nos momentos que antecederam ao jogo, o bandeirão desfraldado pela torcida local continha, descaradamente, as logomarcas dos canais por assinatura da emissora. Após o clássico, quase em tom de escárnio, exibiu matéria com a mãe de Jailson na arquibancada do Itaquerão, uniformizada, torcendo por seu time e por seu filho.

Bandeirão SCCPÉ fato que a arbitragem tem medo de apitar contra o time de Itaquera. “Pênalti para o SCCP” é uma piada generalizada na Internet. O Palmeiras precisa, de alguma forma, se defender disso. Boa parte da torcida espera um pronunciamento do presidente Maurício Galiotte. Talvez seja necessário, talvez não – uma declaração forte pode até reforçar, mas jamais será suficiente para, por si só, impor o respeito que nossa camisa demanda.

Estamos sendo roubados sistematicamente – até na base os juízes nos prejudicam. É necessário agir nos bastidores de forma incisiva, e se nossa diretoria tem tentado fazer algo neste sentido, não está surtindo efeito algum e a estratégia precisa ser revista.

Nosso patrocinador tem um peso enorme nas receitas da RGT, o principal agente dessa pressão. Mas a presidente da Crefisa e conselheira do clube Leila Pereira é uma neófita e ainda não sabe como usar esse poder para agir nos bastidores e defender os interesses do time – algo que nosso presidente poderia incentivar e eventualmente mostrar o caminho, até porque, ela já declarou a intenção de um dia presidir o clube.

Duas frentes a se trabalhar

Maurício GaliotteFomos roubados e podíamos ter jogado melhor. As duas coisas não se excluem. Fechar os olhos para qualquer um desses aspectos é limitar a análise, é enxergar apenas uma parte do problema. Nossa torcida precisa perceber o cenário de forma ampla e apoiar, em vez de se converter em mais um problema.

Roger está em início de trabalho e, tanto quanto o elenco, precisa de blindagem. Se os resultados não vierem, será preciso muita força para suportar a pressão interna – o erro que comentemos no ano passado não pode se repetir. Já Maurício Galiotte está mais perto do fim do que do começo de seu mandato e já passou da hora de resguardar, de uma vez por todas, nossos interesses.

As duas coisas se resolvem com muito trabalho: o treinador, treinando; o presidente, presidentando. Só assim não termos novamente a mesma maldita sensação de déjà vu quando voltarmos a enfrentá-los, provavelmente nas finais do Paulistão.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Rivalidade, a alma do futebol

Cascão e Cebolinha - Derby
© MSP

Os constantes episódios de violência envolvendo torcedores fomenta campanhas de paz nos dias que antecedem os grandes clássicos. Às vezes as ações partem dos próprios clubes, às vezes das federações, às vezes da própria imprensa – ou de quem mais queira conciliar interesses comerciais com um propósito nobre.

Tais campanhas, talvez nas primeiras vezes, surtiram algum efeito. Com a perda do ineditismo, entretanto, esse tipo de ação caiu na vala comum e hoje é solenemente ignorado por quem aproveita a realização de clássicos para satisfazer a necessidade patológica de sair na mão – ou na barra de ferro – com alguém.

No último final de semana, em Salvador, o Ba-Vi foi promovido na semana que o antecedeu como o “Clássico da Paz”. Quem partiu para a violência foi quem menos se esperava em tempos de extremo profissionalismo: os atletas. Obviamente, o fogo se alastrou para as arquibancadas do Barradão e tivemos mais uma série de registros para o baú de cenas lamentáveis do futebol brasileiro. Mesmo com toda a campanha, que acabou se tornando ridícula.

Dado que essas estratégias de comunicação se tornaram completamente inócuas, talvez tenhamos atingido o ponto de se mudar o enfoque para diminuir ou mesmo remover a pancadaria do dicionário do futebol. A mídia não é mais um instrumento eficaz, o foco principal talvez deva ser a inteligência policial sobre os já conhecidos elementos infiltrados nas organizadas que fomentam os conflitos, sempre pré-agendados com data e local. “Se organizar direitinho, todo mundo dá porrada” – é a piada que corre.

O hooliganismo é um fenômeno sociológico e antropológico e tem suas particularidades em cada local onde é praticado – o movimento que teve muita força na Inglaterra até meados da década de 80 era bem diferente do que ocorre aqui no Brasil – mas também tem suas semelhanças. Lá, foi praticamente erradicado – o que não quer dizer que se forem aplicadas as mesmas medidas aqui, surtiriam o mesmo efeito. É um trabalho difícil, que precisa ser feito de forma séria por gente competente e não por promotores aventureiros que usam a visibilidade que o futebol proporciona para alavancar suas carreiras políticas.

Enquanto esse trabalho é feito de forma capenga por quem não está de verdade a fim de resolver, quem sofre é o torcedor comum. Como sempre.

Medidas inúteis

Os novos estádios vieram para ficar. A maioria deles, em sua concepção física, não permite mais grandes clássicos com torcida dividida meio-a-meio – normalmente existe um local reservado para a torcida visitante que corresponde a, no máximo, 10% da capacidade do estádio. Quem viu os grandes clássicos com seis gomos de cada lado, viu.

Mas mesmo com 10% de visitantes ainda existia o espírito de clássico. A sensação de estender um dedo médio e soltar alguns palavrões em direção à torcida adversária após ver o Palmeiras fazer um gol num clássico no Allianz Parque, embora não se compare a calar metade do estádio, ainda rendia pontos valiosíssimos no placar de objetivos a se atingir na vida. Agora, nem isso nos permitem, depois da instituição da torcida única – uma solução paliativa que consiste num atestado de incompetência das autoridades em controlar o problema em sua raiz.

Sobra até para a cerveja. Chega a ser inacreditável que, mesmo 10 anos após a proibição, um produto que gire tanto dinheiro não tenha tido um lobby eficiente para derrubar uma resolução tão estúpida.

Estas são apenas algumas atrações do circo armado pelo poder público para fingir à sociedade que estão buscando soluções reais para o problema. Os índices de violência não dão sinais de arrefecer e a parte mais sedutora de ir a um estádio num clássico, ou mesmo em jogos comuns, está com cada vez menos atrativos.

Rivalidade, a alma do futebol

Derby da PazEnquanto as autoridades desfilam suas hipocrisias pelo picadeiro, a mídia também inventa moda. Os dirigentes dos clubes combinam, junto com seus marqueteiros, ações bonitinhas nos dias que antecedem o clássico. O apelo é forte: a paz! Quem pode ser contra?

E dá-lhe logomarca do “clássico da paz” com coletiva conjunta. Os torcedores comuns – aqueles que não usam o futebol para satisfazer o vício na pancadaria, mas que incorporam o espírito da arquibancada e querem matar o adversáriono sentido figurado – são impelidos a reprimir o instinto de repulsa ao rival em nome da disposição geral para que ninguém saia do estádio machucado. E não adianta nada, porque se os caras quiserem brigar, eles vão brigar e não vai ser o Cebolinha nem o Cascão que vão impedir.

O pior de tudo é que, mesmo após uma série de ações conjuntas entre os clubes, nos bastidores o SCCP, de forma cínica, continua influenciando autoridades e arbitragens, ganhando estádio e campeonatos na mão grande, enquanto vemos imagens de personagens de gibis se abraçando enquanto vestem as camisas dos rivais seculares.

Já basta terem proibido a cerveja, as bandeiras, acabado com os clássicos 50-50 e inventado a torcida única. Deixem a rivalidade aflorar. Parem com esse papo de amizade que não impede treta nenhuma. Deixem-nos odiar nossos rivais e querer vê-los mortosmais uma vez, no sentido figurado. Nós, o grosso da torcida do Palmeiras, 99% dos que estão no estádio, odiamos os torcedores do SCCP, e adoramos odiá-los, sem meter a porrada em ninguém – e provavelmente o inverso também é verdadeiro. Isso é a rivalidade, a alma do futebol que não pode acabar.

No dia seguinte, nos esprememos no metrô ao lado deles e a vida segue.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Conmebol é pressionada para liberar jogador do Boca suspenso para atuar contra o Palmeiras

Nandez e Fernando Prass
Mariano Álvez/Padre Y Decano

É forte a pressão sobre a Conmebol para que o meia Nahitan Nandez, do Boca Juniors, não precise cumprir toda a pena que lhe foi aplicada devido à briga em que se envolveu no jogo entre Peñarol e Palmeiras, no dia 26 de abril do ano passado, quando ainda defendia o time uruguaio.

Condenado a cumprir cinco jogos de suspensão, Nandez cumpriu dois, e ainda teria mais três partidas de gancho, o que compreenderia todo o primeiro turno da fase de grupos da Libertadores, incluindo a partida no Allianz Parque marcada para o próximo dia 11 de abril.

A imprensa argentina engrossa o coro a favor de Nandez, argumentando que Felipe Melo, que mesmo sendo vítima da situação, pegou seis jogos de suspensão, teve a pena reduzida pela metade após o Palmeiras recorrer em segunda instância. Ocorre que o Peñarol, eliminado da competição, não recorreu e o prazo se esgotou, não cabendo mais recurso.

Nandez vem sendo titular absoluto do meio-campo do Boca e é considerado peça fundamental no esquema do técnico Guillermo Schelotto. Daí vem o esforço dos argentinos, incluindo a imprensa, em pressionar a Conmebol para que revise a aplicação da pena.

No Brasil, silêncio absoluto da imprensa; só a mídia independente palmeirense se manifesta. O Palmeiras, mais uma vez, está sozinho nessa briga.

Derby

Derby - Daronco
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

A pressão dos argentinos acontece na mesma semana em que o Palmeiras tem que se preocupar com os bastidores locais, a fim de se prevenir de novos problemas com a arbitragem no Derby do próximo sábado, em Itaquera.

Se dentro de campo Roger Machado e o elenco já estão fazendo um trabalho que se mostra bastante promissor, nos próximos dias teremos uma boa amostra de quanto o Palmeiras está preparado para se defender fora das quatro linhas na temporada de 2018.

Em 2017, deixamos para decidir a temporada na semana do último Derby e fomos claramente prejudicados nos dois jogos decisivos, nos tirando qualquer chance de conquista. Veremos agora o quanto essa lição foi aprendida.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Vem aí o Derby do Século

Marcos - 2000À luz da História, não é exagero: o Derby que será disputado no próximo domingo, no Entulhão, é o confronto mais importante entre os dois maiores rivais do futebol brasileiro neste século.

O jogo recente mais importante entre Palmeiras e SCCP que se tem registro foi a semifinal da Libertadores de 2000, quando Marcos defendeu o pênalti batido por Belzebu na disputa final e decretou a vitória palmeirense por 5 a 4 – o Verdão forçou a decisão após vencer o jogo, de virada, por 3 a 2, após um 3 a 4 na primeira partida. Foram confrontos épicos; os dois clubes tinham times fortíssimos e dominavam o futebol brasileiro entre 1998 e 2000. Mas nos confrontos diretos, sempre dava Palmeiras.

No século 21

Fernando Prass - 2015Um Derby sempre agita a cidade e o país, mas a partir de 2001 o clássico deixou um tanto a desejar em termos de relevância para os campeonatos por que valiam.

Tivemos alguns confrontos eliminatórios pelo Campeonato Paulista, como em 2015, quando Fernando Prass defendeu pênaltis no Itaquerão. Em 2011, também nos pênaltis, um erro de João Vítor definiu a classificação do rival à final. Em 2003 os times também se encontraram e o Palmeiras, com um elenco de série B, levou a pior. Três semifinais de Paulistão foi o máximo que os rivais proporcionaram em disputas por troféus nos últimos 17 anos.

É claro que houve jogos que, mesmo não tão significativos em termos de campeonato, entraram para a História diante da rivalidade e da forma com que foram disputados. Nos confrontos recentes, o último Derby disputado no Pacaembu foi espetacular – o Palmeiras venceu por 1 a 0, num gol marcado por Dudu, um minuto depois de Fernando Prass defender um pênalti cobrado por Lucca. O Verdão comemora muito uma vitória por 2 a 0 em 2016, no Itaquerão, que representou o início da arrancada para o eneacampeonato, enquanto o rival ainda celebra a vitória marcante no Allianz Parque, no último encontro entre os dois clubes.

Os 3 a 0 de 2009, com três gols de Obina no Prudentão, vão demorar para sair da memória dos palmeirenses. O rival, por sua vez, comemora um Derby disputado naquele mesmo ano, no mesmo estádio, com gol de Ronaldo, em que o alambrado não resistiu a seu peso – o jogo terminou empatado.

Obina - 2009Esses jogos no Prudentão iniciaram uma era em que os dois clubes sabiamente decidiram nunca mais disputar um Derby no Morumbi – postura que marcou, coincidentemente, a decadência do SPFC. O último Derby no Jardim Leonor foi disputado em março de 2008, ano que marcou o último título relevante do dono do estádio.

Os últimos Derbies disputados no Morumbi tiveram predominância palmeirense – em 2007, com show de Valdivia e Edmundo, aplicamos um sonoro 3 a 0 e os veríamos cair para a série B ao final do ano. Os 4 a 0 de 2004, com direito a gol contra de Rincón, foi saborosíssimo e marcou a última grande goleada do confronto.

O Derby do Século

Palmeiras e SCCP têm hoje estádios que lhes proporcionam grandes públicos e rendas – é verdade que o estádio deles foi erguido em situações suspeitas, num modelo econômico que não lhes permite desfrutar das grandes rendas e está cercado por investigações de corrupção. Mas isso fica em segundo plano diante do jogo que se aproxima.

Os dois rivais ponteiam o Brasileirão e a evolução de pontos dos dois clubes no campeonato sugere uma partida épica, cercada de muito nervosismo.

O Verdão chega para o jogo exibindo um futebol em franca evolução que está satisfazendo nossa exigente torcida e até a imprensa. Já o SCCP enfrenta uma decadência em relação ao time que liderou quase todo o campeonato, após uma fase exuberante que teve início exatamente no Derby do Campeonato Paulista – jogo que pode ser considerado um grande ponto de inflexão nas trajetórias dos dois times no início de 2017.

Sabemos que fase técnica e pontuação são fatores pouco ou nada importantes quando essas duas equipes entram em campo. Mas não deixa de ser interessantíssimo, quase poético, perceber que em caso de vitória do Palmeiras, o Derby do próximo domingo tende a representar outro ponto de inflexão para os dois rivais, mas em sentido oposto ao do Derby de fevereiro disputado no mesmo palco.

Felipão 2000Todos esses ingredientes fazem com que o jogaço do dia 5 seja encarado como O DERBY DO SÉCULO.

Como ensinou Felipão, tem que ter raiva dessa porra de cur%$*&#ntia. Pra cima deles, com tudo! VAMOS PALMEIRAS!


Verdazzo é patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo